Colunista: A fisioterapia é uma importante aliada no tratamento do estrabismo

estrabismo-o-que-e-e-como-trata-lo-1

O estrabismo é um distúrbio em que os olhos não olham exatamente para a mesma direção ao mesmo tempo. A doença atinge crianças e adultos em todo o mundo. O que muitas pessoas não sabem, é que a fisioterapia é uma grande aliada no tratamento e na reabilitação do estrabismo.

O estrabismo acontece pela falta de amadurecimento nervoso e muscular, é uma alteração ocular que, podem ser acompanhadas de doenças que afetam o cérebro, como por exemplo: paralisia cerebral, Síndrome de Down, traumas e tumores cranianos, entre outras complicações. Em adultos o estrabismo pode surgir em virtude de doenças físicas e neurológicas ou diabetes. Os acidentes de trânsito também estão fazendo aumentar o número de pessoas que sofrem com o distúrbio em decorrência de traumatismos na cabeça

Os músculos responsáveis pelos movimentos dos olhos devem trabalhar de forma harmônica, atuando em conjunto num equilíbrio perfeito de forças para não provocar o desvio ocular. Os músculos são controlados pelo cérebro através de impulsos nervosos. O estrabismo faz com que a pessoa veja imagens duplas, sinta alterações funcionais nos olhos, dores de cabeça, tonturas e visão embaçada ao realizar esforços visuais. É normal até os três meses de idade que ocorra um grau moderado da doença pois a musculatura da criança ainda não está rígida, mas ela deve ser corrigida naturalmente em pouco tempo.

Durante o tratamento da doença a fisioterapia atua com exercícios nos músculos extraoculares (região dos olhos). As terapias ajudam na correção de desvios e na recuperação da funcionalidade visual. Estão entre as atividades o estímulo da visão com luzes e objetos que são movimentados em todas as direções.

O tratamento deve ser iniciado o mais rápido possível. Muitos casos podem ser revertidos se diagnosticados logo no início. Adultos e crianças, assim que sentirem os primeiros sintomas da doença devem procurar um profissional da saúde para um diagnóstico e tratamento adequados.

ANA CAROLINA BELARMINO
FISIOTERAPEUTA

Comentários fechados