Série Especial Produção Cafeeira Certificada – Parte 2: Super Greensand é um aliado na busca pela certificação

Foto Capa: Divulgação/Verde Agritech
Foto Capa: Divulgação/Verde Agritech

O Super Greensand é uma fonte potássica natural, rica em diversos outros elementos como magnésio, ferro, silício e manganês. Insumos inovadores como o Super Greensand são bem-vindos à cafeicultura e podem, de diversas maneiras, contribuir para que os cafeicultores brasileiros possam aproveitar a oportunidade para certificar sua produção.

Super Greensand: cafés mais sustentáveis e rumo à certificação

O Super Greensand foi desenvolvido com foco em múltiplas soluções para a adubação potássica e possui benefícios específicos para a questão da sustentabilidade, o que o transformam em candidato ideal para fazendas certificadas e preocupadas com a questão ambiental. Saiba por quê:

É um produto livre de sal e de cloro
Pesquisas comprovam que o cloro contribui para que a qualidade da bebida do café seja prejudicada[1]. Na cultura do café, o cloro inibe a atividade de enzimas que estão diretamente ligadas à qualidade da bebida. Além disso, o cloro contribui para um maior teor de água nos frutos, o que aumenta a chance de proliferação de microrganismos que podem gerar fermentações indesejadas.

Seus nutrientes não são lixiviados
Por ter baixa solubilidade em água, dificulta a lixiviação do potássio e outros nutrientes, deixando-os mais disponíveis para o desenvolvimento das culturas.

O Super Greensand não polui o solo nem o lençol freático
Esta é uma grande preocupação dos protocolos ambientais das certificações que o Super Greensand corrobora, por ser uma fonte natural e pouco lixiviável.

Tem alta concentração de óxido de silício (59%)
O silício está correlacionado com o aumento da resistência do cafeeiro contra pragas e doenças e também minimiza as perdas de água da planta por evapotranspiração. Dessa forma, o Super Greensand contribui para a redução do uso de agroquímicos em sistemas com Manejo Integrado de Pragas, requisito fundamental para cafés sustentáveis certificados, como por exemplo, da Utz Certified e da Rainforest Alliance. O silício também está envolvido na maior disponibilização de fósforo para a cultura, uma vez que o silício se fixa em ferro, alumínio e hidrogênio que iria se ligar ao fósforo deixando-o indisponível para a planta.

Absorve amônia
No café em produção aplica-se, em média, 400 Kg/ha de Nitrogênio (N) e grande parte se perde por volatização. Um experimento conduzido pela Universidade de Cranfield (UK), em maio de 2016, comprovou que o Super Greensand absorveu cerca de 10% da amônia presente em solução.

Reduz custos
Ao permitir uma única aplicação de potássio, o Super Greensand otimiza o manejo, diminuindo aplicações, custos com mão de obra, logística e uso de máquinário.

Maximizador de matéria orgânica
O Super Greensand fornece suplementação mineral aos microrganismos benéficos do solo e favorece o processo de compostagem, pois melhora a aeração, retém nutrientes e diminui a umidade no composto.

Todos esses pontos fazem do Super Greensand um forte aliado em busca de maior sustentabilidade da cafeicultura brasileira.

No próximo post, iremos apresentar resultados do teste agronômico na produção de café realizado em parceria com a EPAMIG. Para saber mais, clique no link abaixo e se inscreva no site da Verde Agritech.

Foto nova Verde2017CLIQUE AQUI E SE INSCREVA

 

Reportagem: Texto adaptado do original escrito por Paulo Henrique Leme / Fonte: Verde Agritech / Foto Capa: Divulgação/Verde Agritech

Tags

0 Comentários “Série Especial Produção Cafeeira Certificada – Parte 2: Super Greensand é um aliado na busca pela certificação”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *