Doutora em Solos e Nutrição de Plantas apresenta as pesquisas mais recentes sobre os impactos do cloro no sistema solo-planta

Foto Capa: Reprodução/Blog-Verde

Como os fertilizantes clorados impedem o produtor de utilizar o potencial benéfico dos microrganismos do solo na agricultura? Como equilibrar a necessidade de produzir alimentos em larga escala com a demanda por alimentos produzidos de forma mais saudável, como os produzidos pela agricultura orgânica? Essas são perguntas relevantes no cenário da produção agrícola atual. 

Para discutir sobre essas questões, a Dra. Michele Megda, doutora e especialista em Solos e Nutrição de Plantas participou do “Encontro com Gigantes – Consequências da Utilização do Cloreto de Potássio no Sistema Solo-Planta”. 

O evento foi promovido pela Verde, empresa que produz os fertilizantes Silício Forte® e K Forte ®, no dia 03 de junho de 2020. Você pode conferir a conversa, mediada por Bernardo Costa, na íntegra pelo link: https://youtu.be/3_xP77RPtHs  

O potássio, juntamente com o fósforo, são os nutrientes mais consumidos pelo Brasil quando se fala em nutrição agrícola. Nos últimos 10 anos, o consumo de potássio na agricultura brasileira dobrou, passando de aproximadamente 3 milhões de toneladas/ano para quase 6 milhões de toneladas/ano. E a maior parte desse potássio é utilizada sob a forma de Cloreto de Potássio (KCl). 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

KCl contém uma grande quantidade de potássio, cerca de 60%, mas também tem uma grande quantidade de cloro e um alto teor salino, de cerca de 116%. A Dra. Michele Megda, especialista em Solos e Nutrição de Plantas, explica que, o cloro é essencial para o desenvolvimento biológico das plantas, mas ressalta que apenas em níveis adequados e que normalmente o solo já tem quantidades suficientes desse elemento. 

Michele afirma que o excesso de cloro presente em fertilizantes clorados, como é o caso do KCl e o Cloreto de Amônio (NH4Cl), é que no solo existe a dissociação dos elementos que compõem esses fertilizantes e o acúmulo de cloro no solo e nas plantas. 

“Normalmente o cloro é muito móvel na planta e a toxidez do excesso vai se manifestar em folhas mais velhas. Há uma necrose nas folhas, comprometendo o aparato fotossintético da planta”, diz Michele Megda

Outro problema associado ao excesso de cloro do Cloreto de Potássio é o alto estresse salino provocado por ele no solo e nas plantas, que causa muitos distúrbios fisiológicos. Esse estresse salino desequilibra as taxas de umidade no solo e nas plantas, fazendo com que as plantas e os microrganismos do solo percam água. No caso dos microrganismos do solo isso tem um alto potencial biocida. 

“Quem sofre num primeiro momento com o excesso de cloreto é a biomassa microbiana do solo”, diz a Dra. Michele, citando uma de suas pesquisas com o KCl na cultura de banana. Nesse trabalho, ela pesquisou os efeitos de outras fontes de potássio no solo e nas plantas também, e o KCl foi que teve mais impactos, tanto no solo quanto nas plantas. 

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Esse efeito maléfico do excesso de cloro nos microrganismos é um grande problema para o que a Dra. Michele Megda considera uma conciliação entre a agricultura convencional, responsável por 40% da produção de alimentos do mundo, e a agricultura orgânica, vista como mais saudável, mas com um potencial produtivo de 20% a 25% menor. 

“Não faz sentido nenhum a gente investir em uma tecnologia (os biológicos) e aplicar algo que é considerado biocida, que vai aumentar a salinidade do solo, causando distúrbios fisiológicos como a morte das células da massa microbiana”, enfatiza a Dra. Michele. 

O potencial benéfico dos microrganismos para a agricultura é muito grande. A Dra. Michele destaca, por exemplo, o crescimento dos sistemas de plantio direto com rotação de culturas, que trouxe um aumento na produtividade brasileira, mas que gera impactos como a acidificação e a redução de oxigênio no solo. O uso de microrganismos seria uma saída para esses problemas. 

O papel dos microrganismos na manutenção da qualidade do solo e nas boas práticas da agricultura já era conhecido desde 1890, mas hoje temos mais tecnologias e recursos para entender melhor como isso acontece. Os microrganismos, têm um papel importante na intemperização do solo, através do seu processo de respiração. Esse processo libera substâncias que disponibilizam nutrientes que antes estavam insolúveis no solo. 

No entanto, ela também ressalta que: “Não é tão simples trabalhar com a microbiologia do solo, isso aliado a fatores como poucos valores norteadores e sistemas diversos, e o fato de que só 0,1 a 10% dos organismos do solo são conhecidos e o alto custo, às vezes torna a agricultura biológica cara”. 

Por isso, além dos investimentos em pesquisas com os microrganismos e a microbiologia do solo, é preciso investir em manejos mais adequados do solo, que preservem esse importante ecossistema. Isso inclui o uso de fontes potássicas não agressivas aos microrganismos, como o K Forte®, produzido pela Verde. 

“O fato é que sem dúvida o Brasil tem potencial de vencer esse desafio de alimentar grande parte da população mundial. A gente tem áreas agriculturáveis, tem climas pra isso. Mas a gente precisa fazer isso da forma adequada, porque embora o solo seja um recurso renovável, muitas vezes ele é utilizado de maneiras que o degradam de maneiras que o inutilizam. Por isso é preciso ter mais cuidados com as práticas utilizadas no manejo do solo”, conclui a Dra. Michele Megda

Michele Xavier Vieira Megda possui mestrado e doutorado em Solos e Nutrição de Plantas pela ESALQ/USP e Pós-doutorado pelo Centro de Energia Nuclear na Agricultura/USP. Atualmente é docente da Universidade Estadual de Montes Claros atuando em temas relacionados ao ciclo biogeoquímico do nitrogênio e potássio e seus impactos no sistema solo-planta. 

Não perca os próximos eventos. Confira toda a programação do Encontro com Gigantes e faça sua inscrição pelo link: https://www.kforte.com.br/encontrocomgigantes/  

Sobre a Verde

A Verde é uma mineradora inglesa fundada, em 2005, pelo mineiro Cristiano Veloso. Desde 2007, está listada na bolsa de valores de Toronto, Canadá. Com foco voltado para o mercado de agrotecnologia, a empresa tem o objetivo de entregar soluções inteligentes para os problemas e desafios da agricultura do século 21. 

O propósito da Verde é melhorar a saúde das pessoas e a do Planeta, através de produtos inovadores de alta eficiência agronômica que promovam uma agricultura sustentável e rentável, que produzam alimentos nutritivos e minimizem os efeitos das mudanças climáticas. 

Entre os membros do Conselho Administrativo da Verde está Alysson Paolinelli, ex-ministro da Agricultura e ganhador do World Food Prize em 2006. Com vasta experiência em agronegócio, Paolinelli, considerado o pai da Agricultura Tropical, tem uma atuação estratégica na empresa e é um grande incentivador dos projetos da Verde. 

Sobre o autor: Cristiano Veloso é especialista um Sustainable Business Strategy pela Harvard Business School, Estados Unidos, mestre pela University of East Anglia, Reino Unido e bacharel em Direito pela Universidade Federal de Minas Gerais. Cristiano é fundador e CEO da Verde Agritech Plc (“Verde”), mineradora inglesa listada na Bolsa de Valores de Toronto. Tem ampla experiência e conhecimento nos setores agrícola e mineral. A frente da Verde, Cristiano lidera uma empresa inovadora cujo propósito é melhorar a saúde das pessoas e do Planeta. 

.

Reportagem: Assessoria de Imprensa-Verde / Foto Capa: Reprodução/Blog-Verde

Tags

0 Comentários “Doutora em Solos e Nutrição de Plantas apresenta as pesquisas mais recentes sobre os impactos do cloro no sistema solo-planta”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

ANUNCIE
ANUNCIE

Enquetes

O Portal SG AGORA quer saber, você é a favor, contra ou indiferente ao fechamento do comércio local considerado não essencial em São Gotardo?

Ver Resultados

Carregando ... Carregando ...